Chico Xavier pede licença  
           Edição 98 | Agosto de 2012



SEM MERECIMENTO  •  Francisco Cândido Xavier


“Em nossa reunião falava-se a respeito das pessoas consideradas sem merecimento para a execução de tarefas espirituais, e a nossa irmã de sempre, Maria Dolores, escreveu por nosso intermédio a mensagem que intitulou Pai sempre.

O texto em estudo eram os itens 11 e 12 do capítulo XXIV de O evangelho segundo o espiritismo, que se ajustava ao assunto, dando motivo a edificantes comentários.”


PAI SEMPRE  •  Maria Dolores

Alguém te disse, alma querida e boa,
Que os Espíritos Nobres
Nunca se valem de pessoa
Claramente imperfeita
Em tarefas de amor à Humanidade...
Por isso mesmo o escrúpulo te invade
E, receando a própria imperfeição,
Foges do privilégio de servir
Em que o Senhor te pede trabalhar
A fim de conquistar
O Celeste Porvir...

Reflitamos, no entanto,
Entre simples lições da Natureza;

A semente germina em lauréis de esperança,
Muita vez sob a lama ascorosa e indefesa;
A fonte não seria exemplo de bondade
Em que a vida enxameia,
Se recusasse deslizar
Sobre tratos de terra e lâminas de areia...

Olha as flores do charco
Embalsamando campos e caminhos,
A rosa não desdenha florescer
Entre punhais de espinhos...

Pensa ainda conosco
Nas fraquezas e lágrimas que levas.
O Sol seria o Sol
Se fugisse das trevas?

Esquece pessimismo, acusação, censura,
Nada te desanime, ergue-te e vem...
Conquanto enferma e rude, mesmo assim,
Se te encontras na sombra, avança para a luz,
Sem desertar, porém, de servir com Jesus!
Vem cooperar no amor que devemos ao mundo
E entenderás, por fim,
Que só se vence o mal pelo serviço ao Bem
E que a benção de Deus jamais nos desampara
Nem despreza a ninguém.


 
 
O DOENTE E O REMÉDIO •  J. Herculano Pires (Irmão Saulo)


Quando os fariseus censuraram Jesus por sentar-se à mesa com publicanos e pescadores, Ele respondeu: “Os sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos.” Essa é a lição evangélica tratada nos itens 11 e 12 do capítulo XXIV de O evangelho segundo o espiritismo. Como vemos, os temas de estudo nas reuniões públicas com Chico Xavier sempre concordam com os problemas principais que os visitantes de várias cidades vão lá discutir. Os livros são abertos ao acaso, de maneira que essa constância no acerto dos temas basta para provar a ação dos espíritos no desenrolar dos trabalhos.

As atividades espíritas são o meio certo para a cura dos doentes da alma. A terapêutica ocupacional, que é a cura por meio do trabalho, muito antes de ser descoberta pela medicina, era empregada no cristianismo primitivo. Todos os que lutaram pela implantação do cristianismo encaminharam os fracos, os doentes, os viciosos à cura através da execução de tarefas na seara. Há um princípio pedagógico segundo o qual só se aprende fazendo. Como aprender lições da elevação espiritual sem praticá-las? A aptidão para o bem se adquire na prática do bem.

As pessoas consideradas sem merecimento para a execução de tarefas espirituais são as que mais necessitam de executá-las. Porque o merecimento vem precisamente do esforço e da dedicação. Comentando que a mediunidade é concedida sem distinção, sem escolha, Kardec lembra que ela é dada “aos virtuosos para fortalecer no bem e aos viciosos para os corrigir”. E acrescenta: “Estes últimos são os doentes que precisam de médico.”

Maria Dolores, nas suas comparações poéticas, mostra-nos o mesmo principio ao afirmar: “... só se vence o mal pelo serviço ao bem.” Se o serviço do bem é o remédio para o mal, como curar o doente que se recusa a tomar o remédio? As pessoas que se sentem inúteis porque se reconhecem cheias de imperfeições e defeitos, deviam lembrar-se de que Jesus não procurou anjos nem sábios para o serviço do Evangelho, mas homens rudes e imperfeitos que se aprimoraram na execução de tarefas do seu ministério.




Artigo publicado originalmente na coluna dominical "Chico Xavier pede licença"
do jornal Diário de S. Paulo, na década de 1970.

 
Twitter Issue Flickr Youtube RSS